NOSSO COOL

A casa está aberta, é meia noite e a lua reluz. As estrelas brilham mais intensamente em direção ao Barcool, como se indicassem o caminho. Os olhos alheios que espionam o movimento aqui dentro se deixam atrair pela atmosfera burlesca, como insetos em volta da lâmpada. Mas não se engane, é uma armadilha. Leia nas entrelinhas. A casa reúne todos os rejeitos sociais, aqui eles ascendem ao lugar de destaque e reinam a noite inteira. Reluzindo. No chão de madeira os holofotes revelam o meu brilho e no firmamento minha luz decora o céu escuro. Estrelo a vida como ela é. É antropofágico. Aqui o lixo é luxo, a luxuria é guia, a fé e a festa se misturam e faz o corpo vibrar. É ritualístico. Aqui a derme cintila à medida que arde em febre. É orgástico. Aqui tudo é alegria, o acido da vida se adoça na sua boca, mas corrói e queima, deixando a pele em carne viva. As aparências enganam e as cenas exigem olhares criteriosos. Perspicácia. Aqui o jogo vira e você é o protagonista da história. Barcool é uma charada, decifra-me ou te devoro. Aqui é o lugar onde o seu cool é o nosso cool!


NOSSO BAR

Barcool surge de uma provocação que ecoa e atravessa há muito tempo as poéticas da Confraria 27. Barcool é um quadro vivo da contemporaneidade. Ele dá voz aos grupos não hegemônicos. Havia a necessidade de se falar sobre as barbáries vividas por nós numa sociedade extremamente preconceituosa, segregacionista e excludente. Culturalmente somos a reunião de indivíduos sociais marginalizados, sem lugar de fala e diariamente violentados física e simbolicamente. Então Reunimos em Barcool todos os signos desses indivíduos que são identificados como “minorias sociais” e lhes damos uma oportunidade de ascender, de aparecer no palco e brilhar na cena, à ideia é fazer com que o publico possa se ver nas sátiras e nas criticas sociais postas nas entrelinhas e ocultas nas brincadeiras e na diversão de uma atmosfera burlesca e que possa também refletir, a partir da noção ocidental de sensualidade trazida para a estética do trabalho, sobre a sua própria sexualidade, seus preconceitos e o seu papel politico e social na contemporaneidade.!


FICHA TÉCNICA

Concepção, cenário e direção geral: Rafael Sisant

Direção coreográfica: Wendell Britto

Elenco: Rafael Sisant, Wendell Britto, Natália Agla, Sandriele Gomes, Cleybson Lima, Agda Terra, Valéria Tamires, Rebeca Vasconcelos, Herbet Junior, Monique Paulino, Zé Santana

Figurino: Coletivo

Execução de Croqui: Zé Santana

Maquiagem: Sandriele make Up

Texto: Rafael Sisant

Poema: Rebeca Vasconcelos

Execução de som: Lennon Raoni, Isaac Saraiva

Concepção e execução de luz: Fernando Pereira

Equipe técnica: Janete Crispim, Vinícius Carvalho

Criação de Site: Herbet Jr. | Atena Agência

Produção: Celeiro azul, produções.