PROJETOS

Arborea

É uma intervenção urbana criada por Rafael Sisant, em 2017, que busca discutir a política ambiental nas zonas urbanas do Nordeste, inicando a sua pesquisa recortado em Petrolina-PE. Essa intervenção interativa, promove provocações nos transeuntes das ruas da cidade, pessoas nos pontos de ônibus, vendedores ambulantes, entre outras através do diálogo cara a cara com o outro, discutindo o desmatamento das zonas urbanas o aumento da temperatura das cidades causado pelos maus tratos ao meio ambiente, na contemporaneidade.

Sunga e peito

Uma performance criada por Wendell Britto e dirigida por Cleybson lima, foi criada em 2012 em parceria com o Coletivo Trippé. O trabalho é uma crítica sobre a teatralidade das ações dos políticos em período de eleição. Uma sátira que traz reflexão a respeito do campo minado que se trata a política e como a população é posta como massa de manobra nesse jogo de poder.

Área Restrita

Performance criada em 2012, de execução e direção de Rafael Sisant em parceria com o Coletivo Trippé, discute o jogo de poder político através da posse territorial. O que é público e o que é privado? Discute-se a privatização dos espaços públicos, tomando por um momento os espaços “públicos”, praças e ruas das pessoas e proporcionando uma reflexão para os transeuntes a respeito dos seus direitos enquanto cidadãos.

Marés

Esse trabalho é uma pesquisa performada e dirigida por Rafael Sisant, permeada pelas linguagens Artes visuais, Dança e literatura. Esse trabalho aborda leitura corporal de um conto literário da Escritora Cátia Cardoso. O conto homônimo ao trabalho foi extraído do livro “Tábuas de marés”. A pesquisa busca o entre lugar do corpo e do objeto cênico, investigando a relação entre o bailarino e o artista visual no processo criativo.

Casa Azul

CASA AZUL é um trabalho livremente inspirado nas obras da artista mexicana Frida Kahlo, articulando diálogos entre as Artes visuais e a Dança. O espetáculo propõe discutir os conflitos inerentes ao existencialismo humano na contemporaneidade. Em cena Rafael Sisant e Wendell Britto convidam o público a vivenciar a subjetividade das sensações a partir da paixão, "a dor e a delícia de sermos quem somos" permeiam cada cena. As retratações criadas por Frida se tornam um espelho onde o observador passa a ser parte da obra.

Nascimento do Grito

A cada queda, retorno ao chão, gravita em mim a força-limitaação. Embora toda razão diga que NÃO! , eu ULTRA-PASSO, sou coração, teimo encontrar o CÉU NU CHÃO... - Ádila Madança

Barcool

Barcool surge de uma provocação que ecoa e atravessa há muito tempo as poéticas da Confraria 27. Barcool é um quadro vivo da contemporaneidade. Ele dá voz aos grupos não hegemônicos. Havia a necessidade de se falar sobre as barbáries vividas por nós numa sociedade extremamente preconceituosa, segregacionista e excludente.

A CONFRARIA